a incerteza como fim

Enquanto entoo um mantra atravessado, meio inventado, meio poesia de Neruda ou música do Titãs, e desejo a calmaria de um barco com navegação livre, admito que, no fim das contas, sou forçada a aceitar que mapa ou certezas não adiantam na maioria dos casos.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s